Artigos

Você se comunica de forma consciente?

A comunicação é a base para os relacionamentos humanos. As culturas organizacionais e interações entre os stakeholders dentro de uma empresa são construídos a partir dos diálogos entre os envolvidos. Então, como ter poder de discernimento na utilização dos valores e mandamentos morais, e sua aplicação nas diferentes situações que encontramos no dia a dia?


Ser ouvido e compreendido são fatores inevitáveis que as pessoas compartilham entre si. A necessidade de inclusão e percepção em grupo é o que nos une e nos permite ter conhecimento ou informação. Ou seja, o valor da comunicação é muito amplo e não apenas revela as preferências de cada pessoa, mas também permite a união de ideias, que nos leva a um progresso/regresso individual a partir de outro ser humano.

Como resultado, a forma como nos comunicamos juntamente com o conteúdo que queremos passar é o que decide se a informação está sendo passada sem ruídos do emissor para o receptor.

A mensagem é constituída não só pela matéria de ortografia, gramática e vocabulários, mas também pela forma que expressamos nossos pensamentos. Compreender o peso das palavras que usamos é tão importante quanto a forma que construímos as frases.

Consciência na escrita

A comunicação com a palavra escrita exige um prévio pensamento consciente. No entanto, as demandas atuais de informação muitas vezes usurpam esse processo de pensamento. Isso significa que cada vez mais estamos sobrecarregados, tornando-nos negligentes e menos consciente do impacto das palavras.

Contudo, esse ciclo vicioso pode ser quebrado se ficarmos atentos há alguns fatores que avaliamos como uma melhor forma de comunicação. No mundo online, é pertinente que as informações postadas jamais serão apagadas. Uma vez na rede, sempre na rede. O impacto se torna muito mais forte e por isso precisamos de mais cuidado nas transmissões de mensagens.

As palavras e os textos são nossas formas de comunicação online. Metodologias como vocabulário, gramática e semântica precisam ter conexões dentro do contexto, pois nos faltam outros elementos humanos de comunicação como linguagem corporal e expressão facial para complementar as falas.

A capacidade de aplicar as regras básicas da linguagem é um fator importante na forma como efetivamente somos capazes de atravessar uma ideia ou um ponto. A escolha de palavras nos ajuda a ilustrar o tom e a atitude que queremos transmitir. E a consciência do leitor ajuda a escolher o caminho e as palavras que são mais suscetíveis de compreensão a fim de incentivar a troca de comunicação.

O desafio

Comunicarmo-nos por escrito é um desafio pessoal e profissionalmente, em virtude da forma como seremos julgados. É a parte que as pessoas se atentam quando nos “olham” online, na falta de uma presença física. O mesmo vale para as presenças de marcas e empresas.

Se nossas palavras são as expressões das ideias ou conhecimentos, podemos e devemos esperar que as pessoas avaliem a sua qualidade. É importante estar atento não apenas no que dizemos, mas como dizemos. Comunicação consciente nos ajuda a eliminar tantas variáveis ​​quanto possível na interpretação e compreensão em nome daqueles que estamos falando.

As intenções

Se toda vez que escrevermos um post, um tweet ou um comentário, fizermos certas indagações mentais, podemos eliminar interpretações errôneas ao nosso respeito:

1. “Essa manifestação é válida?”

Saber por que você está prestes a dizer o que você vai dizer aumenta drasticamente suas chances de dizê-lo claramente, com a abordagem certa. Também pode ajudá-lo a perceber quando você não deve dizer nada.

2. “O que isso pode me afetar?”

Você está fornecendo todas as informações pertinentes? Também, é bom ter em mente que se você está se comunicando com um público, suas informações e as respostas podem ser observadas por outras personalidades, mesmo se não são dirigidas a eles. Isso deixa impressões, para melhor ou para pior.

Comunicando-se melhor

Dado o impacto que a nossa comunicação escrita pode ter sobre o nosso trabalho, atitudes, relacionamentos e coisas do gênero, acredito que valha a pena atentar-se na forma que iremos usar as palavras para transmitir nossos pensamentos, opiniões e valores.

1) Seja amigo da Gramática

Errar é humano. Persistir no erro é burrice. Se você não conhece nenhum dicionário online, o Google te ajuda. Na dúvida, procure o certo, isso ajuda muito a comunicação e a forma que você será visto.

Eu digo que tenho vários melhores amigos, e eles se chamam Michaelis , Aurélio e atualmente o Aulete. E, além disso, procuro ajuda externa. A minha vida sem meus revisores de plantão, Lívia Brito, Newton Alexandria e Maira Manesco, não seria nada.

Aceitar as próprias limitações nos permite ultrapassá-las de forma muito mais rápida.

2) Gentileza e humildade fazem o mundo melhor

Defender um ponto de vista ou uma ideia é uma coisa. Não saber ouvir e respeitar a opinião alheia é outra coisa completamente diferente. No momento que você aceita que existem sim, pessoas com opiniões diferentes e que isso não interfere nos seus processos, sua vida será melhor. Afinal, entre tantos no mundo, se não existissem tantas particularidades e diferenças, tudo seria muito sem graça.

Portanto, não importa o quão certo você se sinta, saiba que ninguém é obrigado a compartilhar os mesmos pensamentos. E que independente dos argumentos utilizados, nem sempre você irá mudar o ponto de vista alheio. E nem sempre é necessário. As relações se engrandecem pelas diferenças e não apenas pelas similaridades. Cuidado, você pode passar do certo para o errado de acordo com a forma que você se comunica.

Seja consciente.

Os 100 erros mais comuns Língua Portuguesa

Dr. Conteúdo

Sobre o Autor

Camila Carrano

Estudante de Comunicação e Marketing, Camila é estudiosa dentro das mídias sociais e busca a integração das áreas da comunicação. Produção de conteúdo, produção de eventos e assessoria de marketing também são experiências suas.

4 Comentários

  • O grande e ilimitado poder das palavras. É isso aí, Camila! A falta de expressão corporal e entonação verbal deixam a comunicação escrita sujeita a interpretações errôneas, o que, como você bem salientou, pode ser um grande perigo para pessoas e empresas que compartilham suas ideias.

    Outro ponto muito bacana que você abordou é a falta de cuidado consequente da velocidade de nossas vidas digitais. Concordo que revisar e ponderar são processos indispensáveis, mesmo com pouco tempo! É melhor escrever/produzir menos, mas dedicar-se a estes dois processos que asseguram um nível melhor da comunicação – é aquele dilema sobre o que é melhor: dar o furo rapidamente ou acabar dando uma bola fora?

    Por último, você ainda comenta sobre as nossas diferenças, que possibilitam a troca de conhecimento, o debate enriquecedor, a defesa de pontos de vista, o crescimento mútuo e recíproco, que a internet tão bem viabiliza. Acho isto incrível. Não importa o canal: muitos debates na internet tornam-se crowdsourcing de conhecimento rico!

    Eu ainda complementaria com uma recomendação, principalmente às marcas nas mídias sociais: escutar é muito importante, mas calar-se é perigoso. Imagine se a Brastemp não tivesse respondido ao Boreli? Mesmo em casos de agressão à marca, é recomendável que se desminta as agressões, porque, como você levantou, o que está na rede pode ser lido por qualquer pessoa e alguém pode acreditar numa mentira de agressores da marca, que pode se tornar um boato e ganhar maiores proporções.

    É isso, parabéns pelo artigo e conte conosco da Dr. Conteúdo sempre que precisar.

    Abraços,

    Atila Velo
    @atilaVELO @DrConteudo http://drconteudo.com.br/

    • Eu tenho um lema pessoa: comunicação permite compartilhamento de ideias. E isso permite crescimento pessoal. Todos nós temos nossas crenças, valores e pensamentos, mas temos que saber ouvir e se atentar para a opinião alheia. Crescer é fundamental, e acho que pra isso que estamos aqui né?

  • Adorei seu texto Camila, vou passa-lo adiante!! Tanta gente precisa ler e tentar aprender ao menos um pouco das palavras que você escreveu.
    A medida que ia lendo fui pensando na quantidade de "donos da verdade" que temos no mercado de comunicação, que até perdi as contas.

    Mais uma vez parabéns, este é um daqueles texto que a gente lê e derrepente quer mudar o mundo, rs

Deixe um comentário